O número de pessoas que está fazendo a cirurgia de redução de estômago está cada vez maior e a cada dia que passa existe uma divulgação maior de dietas e hábitos alimentares saudáveis, afinal de contas, vamos ser sinceros, hoje mais do que nunca sabemos o que nos faz bem e o que nos faz mal, mas o número de obesos só aumenta, a ABESO mostra que a obesidade teve um aumento crescente no Brasil entre 1974-75 e 2008-09, de 5,4% para 14,65% ultrapassando os padrões internacionais.

Então como pode cada vez as pessoas terem mais acesso a cirurgia, cada vez mais as pessoas sabem o que devem fazer para emagrecer, e, no entanto, o número de obesos só aumenta?

As cirurgias de redução de estômago cresceram 6,25% em 2015, em relação a 2014, segundo novo balanço da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM). No ano passado, 93,5 mil pessoas foram submetidas ao procedimento, ante 88 mil em 2014.

Veja esse vídeo que fiz sobre o assunto:

A obesidade é vista como doença e a crença é de que o tratamento necessita ser de algo externo como cirurgias dietas restritivas, no entanto os números colocam luz a uma questão esquecida: a questão comportamental, como está a sua mente?

Veja esse vídeo que fiz sobre o assunto:

Se não for alterado o que originou o diagnóstico, obrigatoriamente a pessoa recém operada da bariátrica ou que emagreceu com uma dieta restritiva, irá retornar ao seu peso original causando a recorrência. Um grupo de pesquisadores do Departamento de Nutrição da UnB (Universidade de Brasília) acompanhou 80 pacientes que operaram há mais de dois anos e, segundo o estudo, 73% voltaram a engordar, sendo que 23% tiveram ganho de peso significativo.

É necessário que exista a consciência que que só a cirurgia ou uma dieta totalmente restritiva, sem mudança de hábitos alimentares a longo prazo, não vai funcionar.

Tanto na pós bariátrica quanto na dieta restritiva não é ensinado para o indivíduo a valorização do momento da alimentação, mas sim o que ele deve comer e a que horas, pouco é valorizado o momento da alimentação e essa é a chave de quem procura emagrecer, é necessário que exista um comer PRAZEROSO, INTUITIVO E CONSCIENTE.

No geral as dietas que ensinam a comer em um horário definido, pouco ensinam a pessoa a se observar, ver se está com fome, se está saciado se o momento da alimentação foi prazeroso ou não. Reaprender a comer tendo atenção naquilo que está sendo feito é uma ótima forma de criar uma relação saudável com o momento da alimentação e por consequência existirá um emagrecimento mais efetivo.

É muito comum pessoas que estão na tentativa de emagrecer relatarem que comem pouco, mas na verdade não possuem uma clareza da quantidade, portanto anotar o que se come é uma ótima forma de analisar e se conscientizar da quantidade ingerida, por exemplo, muitos dizem que não come, mas passam o dia inteiro PETISCANDO e não consideram os petiscos na quantidade ingerida, se você optar por anotar, anote TUDO, inclusive aquela “mordidinha”.

Quando citamos o sobrepeso ou a obesidade, as questões estéticas e morais (pré-julgamento social) acabam sendo a questão principal, o indivíduo muitas vezes fica paralisado, sem ação, pois o estigma existe e essa condição acaba envolvendo somente o problema.

É corriqueiro ver pessoas que estão no processo de emagrecimento, colocarem a responsabilidade na questão genética, apesar de todo ser-humano ter uma estrutura corporal estabelecida, os dados nos mostram que o DNA não mudou e a quantidade de pessoas acima do peso só aumenta a cada dia, o que nos faz concluir que o ambiente é um grande determinante para a condição do sobrepeso.

Afinal de contas por que a bariátrica e dietas restritivas não funcionam?

Quando o tratamento é focado apenas no peso, o indivíduo não trata a questão em si que é o relacionamento com o alimento, pouco se é questionado do por que ele come compulsivamente, o que ele está buscando quando está comendo? 50% dos pacientes pós bariátricos possuem Transtorno de Compulsão Alimentar e 30% dos pacientes obesos possuem o mesmo transtorno, portanto a prática de dietas marcadas por restrições quantitativa e qualitativa é o principal gatilho para o desenvolvimento e manutenção das compulsões alimentares.

Toda semana posto dois vídeos sobre emagrecimento no meu canal do Youtube, inscreva-se: https://www.youtube.com/psicologiadanutricao